Mover-se é algo inerente ao ser humano, faz parte do nosso código genético – é como um impulso vital que nos guia desde a barriga. Emmi Pikler nos ensina que uma das grandes metas nos primeiros meses de vida de um bebê é conhecer suas capacidades motoras e caminhar. Para isso, ele tem uma disposição natural para desvendar a si mesmo, aos outros e seu entorno.

Um bebê é absolutamente capaz de conhecer e conquistar os seus movimentos, sempre que permitimos que isso aconteça.

É verdade que muitas vezes nós adultos ficamos ansiosos e com muita vontade de ajudar nessas conquistas. Colocamos a criança de barriga para baixo, ajudamos a sentar e damos a mão para apoiar a caminhada. Essas “ajudas” não são necessárias, podemos ficar tranquilos e ter a certeza de que o movimento é parte vital do desenvolvimento do bebê e poder conquista-lo, por ele mesmo, faz vibrar um sentimento de competência e satisfação interna.
Compreender melhor como acontece o desenvolvimento do movimento nos primeiros meses, pode ajudar a construir uma parceria mais prazerosa e positiva entre você e o bebê nessa fase cheia de descobertas compartilhadas.
Então, como é esse processo? Para falarmos sobre isso, propositalmente não apontamos com quantos meses cada movimento acontece, pois cada um tem um ritmo de conquistas único.

Posição inicial, barriga para cima:

A partir dessa posição em um chão firme, eles descobrem suas mãos, pés, fortalecem as suas pernas movimentando-as e depois fazem movimentos com o tronco para tentar ficar de barriga para baixo.

bebê barriga para cima

Imagem: https://ecologicalkidsblog.com/tag/swaddle/

Barriga para baixo, rolamento:

Quando conseguem se virar de barriga para baixo, começam a fortalecer a musculatura do pescoço para a sustentação da própria cabeça. Fortalecem os braços também, pois tentam sustentar o tronco com o apoio dos braços e das mãos.

barriga p baixo

https://www.serpadres.es/bebe/9-12-meses/articulo/156006-10-consejos-para-que-tu-bebe-pueda-gatear-con-seguridad

Início da locomoção:

1. Com a barriga para baixo, inicia a sua locomoção se rastejando, flexionando as pernas, apoiando os pés no chão, utilizando os braços e o tronco também.

locomoção

http://liberdadeparaosbebes.com.br/blog/a-abordagem-pikler-loczy/

2. A partir da posição de bruços e do início da locomoção se rastejando, o bebê vai começar as tentativas de se sustentar de quatro, e vai começar suas tentativas de engatinhar e de se sentar.
sentar
3. Quando consegue se sentar por ele mesmo, é porque já está com os músculos fortalecidos para sustentar a coluna e a cabeça nessa posição.
sentar 2
4. Começa a se apoiar em objetos (sofá, cadeiras, estantes) para buscar apoio na tentativa de ficar em pé.
sustantar em objetos
5. Apoiado nos objetos tenta se locomover. (Caminha com apoio).

caminha com apoio

http://www.drlopezheras.com/2013/10/psicomotricidad-desarrollo-psicomotor-nino-gatear-antes-que-andar.html

6. Após uma grande sequência de movimentos, começa a controlar o seu corpo para a marcha e assim caminhar sem apoio.
caminha
É muito importante deixar com que os bebês mudem de postura com autonomia, além disso existe nesse processo de conquista de novas sequências de movimentos, uma necessidade de voltar para etapas em que eles já se sentem seguros. Por exemplo: A criança deu os seus primeiros passos, mas no dia seguinte continua engatinhando. Quando isso acontecer, está tudo bem, é um processo de conquista gradual, arriscando as novas possibilidades e explorando aquelas que já se sentem seguras e capazes.
A sequência de movimentos e pré-movimentos que o bebê realiza antes de caminhar é rica e profunda! Mas aqui queremos iluminar os principais pontos nessa fase, para que você se conecte com o bebê e aprecie suas conquistas de uma maneira mais leve e confiante.

E como nós adultos podemos acompanhar essas conquistas, sem interferir?

  1. Favorecendo um ambiente próprio, deixando o bebê no chão. É na firmeza do chão que ele tem sustentação e apoio para conseguir conquistar outras etapas do movimento.
  2. Observar! É encantador acompanhar suas conquistas, quando elas acontecem no tempo que a criança escolheu para ela.
  3. Respeitar essa conquista de autonomia que é tão intrínseca ao ser humano.
  4. Estar por perto, conectado e compartilhar essas conquistas, sem prêmios e elogios, apenas juntos.
  5. Não colocar para andar um bebê que está vivendo o engatinhar ou qualquer outra etapa. É muito importante não colocarmos o bebê em posições que ele não é capaz de fazer sozinho e nem sair dela por ele mesmo.
  6. Colocar roupas confortáveis e que favoreçam a locomoção.
  7. Pés livres! As meias podem escorregar e atrapalham um pouco. Sentir o chão, a textura, a temperatura, é parte importante do desenvolvimento.
  8. Disponibilizar materiais instigantes no espaço, sem excesso. (Veja aqui ideias de materiais e brinquedos para bebês)
  9. Confiar nas capacidades do bebê.

Gostou? Super recomendamos o vídeo do Feldenkrais, um registro rápido e bem esclarecedor, sobre a sequência de movimentos do bebê:

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.mariarozas.com.br/wp-content/uploads/21371163_10204068736154915_7904678529854439277_n.jpg[/author_image] [author_info]Ingrid Grattoni é arte-educadora e pesquisadora da primeira infância. Compreende que a educação é um meio revolucionário de mudar o mundo e de ajudar pessoas em seu crescimento. Colabora com famílias e instituições não formais de ensino nos cuidados de crianças de 0 a 3 anos. Acredita que a consciência nos cuidados da primeira infância é essencial para a construção de um ser humano feliz e seguro.[/author_info] [/author]